terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Ano 587 ou 607? GENTIOS - VAT 4956 aponta para qual data?





O que diz a “tabuinha” VAT 4956 sobre a primeira destruição de Jerusalém e de seu Templo? 
Ela é um “diário astronômico”, onde eram feitas OBSERVAÇÕES sobre "a posição da Lua em relação ao Sol e outras estrelas", em certos anos em que os reis de Babilônia governavam.
A partir dessa observação, dá para se saber QUANDO o rei mencionado nela COMEÇOU a governar.
Por exemplo, ela contém uma observação sobre o “37º ano do rei Nabucodonosor II”, que foi quem destruiu Jerusalém e seu Templo.
Foto da tabuinha cuneiforme VAT 4956

Será que ela CONFIRMA que a primeira destruição de Jerusalém e de seu Templo foi em 587? Ou confirma que foi em 607 a.C.?

Desenho do primeiro Templo, construído por Salomão

É sabido que existe uma DIFERENÇA de 20 (vinte) anos sobre a DATA em que o rei da Babilônia, Nabucodonosor II, destruiu Jerusalém e seu Templo.
Os historiadores seculares (ou não religiosos) dizem que a destruição foi em 587 a.C.;
Alguns religiosos, especialmente as TJs (ou Testemunhas de Jeová), dizem que foi em 607 a.C.

Os historiadores se baseiam em  FONTES das nações, como o Cânon de Ptolomeu, o babilônio Beroso, as “tabuinhas cuneiformes”, etc.
As TJs preferem seguir o que diz a Bíblia e NÃO abrem mão de suas interpretações.

O raciocínio delas é o seguinte:
Babilônia foi conquistada em 539 a.C., por Ciro, o Persa.
NINGUÉM discorda dessa “data”.
O profeta Daniel era “assistente” dos reis babilônicos, desde o tempo de Nabucodonosor II.
Pouco depois que Babilônia foi derrotada, Daniel fala que ENTENDEU, pela leitura do livro de Jeremias, que a libertação dos judeus estava próxima (Daniel 9:1,2 fala sobre isso).
Por que estava próxima?
Porque Jeremias 29:10 havia falado que o tempo dos judeus em Babilônia seria de “setenta anos” e eles já estavam por lá por uns “sessenta e oito anos”.

Como “assistente” do rei, Daniel sabia que os judeus iriam ser REPATRIADOS, ou teriam permissão para voltar para Israel.
Nessas alturas, era “o primeiro ano de Dario, o Medo, que havia sido constituído como governante em Babilônia”, após a sua “queda”. (Daniel 9:1,2)
SE saíram de Babilônia em 538, ou no “primeiro ano de Dario”, por causa da distância, chegariam a Israel em 537.
SE Babilônia “caiu” em 539 e chegaram a Israel em 537, VOLTARAM para suas terras DOIS anos depois da “queda de Babilônia”.

SE chegaram a Israel, aquela terra que estava “desolada”, ou desabitada, “para cumprir os seus sábados” (II Crônicas 36:21), ficou habitada novamente.
Assim, QUANDO isso acontecesse, ou quando aquela terra pudesse ser habitada novamente, seria por que os “setenta anos”, previstos por Jeremias, haviam sido completados.
Então, os israelitas sabiam que, desde que SAÍRAM de Israel, na destruição de Jerusalém e de seu Templo, até que VOLTASSEM a pisar em suas terras, teriam de ter se passado “setenta anos” (obrigatoriamente).
Portanto, SE chegaram de volta em 537, bastaria contar “setenta anos” para TRÁS, para saber o ANO em que tinham sido levados para lá.
Contando-se “setenta anos” para TRÁS, a partir de 537 a.C., levaria ao ANO de 607 (ou 537 + 70 = 607 ou 607 – 70 = 537).
Essa data da destruição, ou 607 a.C., marcaria também o INÍCIO do “tempo dos gentios”.

Salomão tomou posse, como Rei de Israel (unificado), em 1037 a.C.
Morreu depois de 40 (quarenta) anos e seu filho Roboão ficou em seu lugar.
No reinado de Roboão, a nação de Israel se dividiu em DOIS reinos:
1 - O reino de Israel ao norte (composto pelas dez tribos);
2 - O reino de Judá ao sul (composto pelas tribos de Judá e de Benjamin, que eram governadas pelos reis "filhos de Davi").

Salomão foi o PRIMEIRO rei “filho de Davi” e seu governo foi “tipo” (1 Coríntios 10:11), ou foi considerado, como se fosse o “Reino de Deus” na Terra, pois todos viviam com fartura, em paz e harmonia (1 Reis 4:25).
Salomão “se assentou no trono de YHWH”, conforme 1 Crônicas 29:23-25 (como se sabe, YHWH é o nome de Deus, conforme Êxodo 3:14,15).
Assim, Salomão foi considerado como rei do Reino de Deus.

Portanto, esse “Reino de Deus” NÃO seria “apenas uma condição do coração, que SEMPRE existiu nas pessoas”, como a maioria imagina, pois ele tinha por BASE, ou por modelo, o reinado de Salomão, que teve um rei governando sobre um território designado.

Assim, esse “Reino de Deus”, que Jesus prometeu (Mateus 6:9,10 e 10:7,8), seria, portanto, um território GOVERNADO por um Rei, da mesma forma que havia sido o reinado de Salomão (veja o “post” Reino ...).

A diferença é que o Rei seria aquele novo “filho de Davi” prometido, que é Jesus Cristo (Mateus 12:22,23), e seu reinado "NÃO teria fim" (Daniel 2:44) e seu TERRITÓRIO se estenderia pela Terra toda (Mateus 5:5 – 2 Pedro 3:13 – Apocalipse 21:1-4).

Por isso que os apóstolos perguntaram a Jesus, "SE era naquele tempo que ele RESTAURARIA o reino para Israel", conforme Atos 1:6.
Só se pode RESTAURAR algo que já tivesse existido antes.
Os judeus pensavam que o Cristo, quando viesse, RESTAURARIA o reino para Israel e, depois, passariam a viver com a glória que já haviam tido, nos dias de Salomão.

Portanto, parece que o "REINO de Deus" não tem nada a ver com "condição do coração". Tem a ver com um governo, semelhante ao que Salomão teve.

MAS... SE Nabucodonosor II ACABOU com o reino de Judá, que era governado pelos “filhos de Davi” e que eram considerados como representantes de Deus, ele ACABOU com o “tempo” do “Reino de Deus”, na Terra.
Se acabou com o tempo do “Reino de Deus”, COMEÇARIA a vigorar OUTRO “tempo”, que seria o “tempo dos gentios”, ou tempo das nações não judaicas (que não tinham feito um “pacto” com Deus, como o que Moisés fez com os judeus).
Os judeus haviam tido o SEU “tempo” e, agora, as nações, ou os “gentios”, teriam o “tempo“ DELES também.
Portanto, o “tempo dos gentios” teria COMEÇADO quando se ACABOU o “Reino de Deus” na Terra, ou começou com a destruição feita por Nabucodonosor II (de lá para cá, NUNCA mais houve um rei judeu em Israel). 
Todos os reis da Terra eram gentios.

Por isso que essa DATA, da destruição de Jerusalém, é IMPORTANTE, pois ela teria dado INÍCIO ao “tempo dos gentios”, que seria o tempo em que somente as nações gentias teriam os seus reis, na Terra.
Essa situação só mudaria, QUANDO Cristo “voltasse” e RESTAURASSE o Reino de Deus (Atos 1:6 – Apocalipse 12:7-12).
O próprio Jesus disse que só VOLTARIA, “quando os tempos dos gentios tivessem se acabado”, conforme Lucas 21:24.

Até por isso, Jesus NÃO pôde resolver nada em definitivo, a não ser o seu sacrifício carnal (Romanos 5:12-19), pois ele viveu no “tempo dos gentios”,  e SÓ quando esse “tempo” acabasse, no FUTURO, é que ele voltaria para CONSERTAR tudo em definitivo. (João 14:18.19 – Mateus 6:9,10 e 10:7,8 e 24:3-14,29-31 – Marcos 13:32)

37º ano de Nabucodonosor II

MAS os “críticos bíblicos” e/ou os historiadores seculares, na maioria das vezes, NÃO aceitam a CRONOLOGIA bíblica.
Preferem dar mais crédito aos achados arqueológicos e, quando estes CONCORDAM com o que a Bíblia diz, tentam manipulá-los para que NÃO sirvam de provas bíblicas.
Esse parece ser o caso da “tabuinha” VAT 4956, pois procuram manipular as suas observações.

"primeira linha" da VAT 4956 falava sobre o “37º ano de Nabucodonosor II” e a "terceira linha" mostra uma posição da Lua “no dia 9 (nove) de Nisanu”, que era o mês babilônico.
MAS os “críticos” dizem que aquela posição da Lua era a do “dia 8 (oito)”, pois o copista ERROU e, em vez de “8”, colocou “9” (percebeu a “manipulação”?).

Essa “posição da Lua” se encaixa PERFEITAMENTE com o “37º ano de Nabucodonosor II”, mas há uma DIFERENÇA de “vinte anos” entre os anos da anotação do dia 8 (oito) e a do dia 9 (nove).
O dia 8 (oito) aponta para o ano 568 a.C.
Assim, SE em 568 foi o “37º de Nabucodonosor II”, então o INÍCIO dele foi mesmo em 605 (568 + 37);
SE ele começou em 605, o seu 18º ano, quando destruiu o Templo (2 Reis 25:8), foi  em 587 (605 – 18), o que CONFIRMA que Jerusalém foi destruída em 587 a.C.
Em 2 Reis 25:8, fala no "19º ano de Nabucodonosor", mas os especialistas dizem que era contado o “ano de ascensão”.
Por isso, seriam 18 anos e mais um pouco e, para a “conta”, usa-se 18 (veja Jeremias 32:1).

MAS... o dia 9 (nove) aponta para o ano 588 a.C.

Assim, SE o “37º de Nabucodonosor II” foi em 588 (como a posição do dia 9 mostra), o INÍCIO daquele rei foi em 625 (ou 588 + 37) e, se ele COMEÇOU em 625, o seu 18º ano, quando destruiu Jerusalém, foi em 607 (ou 625 – 18), o que CONFIRMA a data bíblica, segundo a interpretação das TJs.

Os livros que tratam do assunto, como o de P. V. Neugebauer e Ernst Weidner (original de 1915, em alemão), procuram seguir esse raciocínio dos “críticos” (sobre o “erro” do copista) e chegam a exibir o “dia OITO” direto, mas, em “nota do rodapé”, explicam que o original, na tabuinha, mostrava o “dia NOVE”. 
Isso mostra que os “críticos bíblicos” estariam “manipulando”, ou ALTERANDO os originais, para que se ajustem às suas interpretações.


Desenho do “oito” e do “nove” na tabuinha. São bem diferentes

Portanto, a “tabuinha” VAT 4956 é um achado histórico e fala mesmo no “37º ano de Nabucodonosor II”, mas parece que os “críticos” querem manipular suas observações.
Como já visto, usando-se o dia oito, o “37º ano” seria 568 e a destruição de Jerusalém seria em 587 a.C.

Já se usar o dia NOVE (como era o original), o “37º ano” seria 588 e a destruição de Jerusalém seria em 607 a.C.

Tempo dos judeus na Babilônia

Tais “críticos bíblicos” aplicam os “setenta anos” como o tempo de DOMINAÇÃO de Babilônia sobre as demais nações.
Segundo eles, os “setenta anos” NÃO se referem ao tempo do exílio dos judeus naquela cidade.

Eles até CONCORDAM que a Bíblia está certa, quando fala nos “setenta anos”, MAS, para eles, esses anos seriam aplicados para Babilônia.
Acham que o império babilônico teria COMEÇADO como “potência” em 609, depois de abater a Assíria, e TERMINADO em 539 a.C., quando Ciro, o Persa, a conquistou.
De 609 até 539 dariam “setenta anos” (609 – 539 = 70).
Assim, para eles, esses “setenta anos” nada mais são do que a DURAÇÃO da dominação de Babilônia sobre outras nações.

Desse modo, Jeremias 29:10 NÃO teria dito que os judeus ficariam cativos “EM Babilônia”, mas sim que os “setenta anos” seriam “PARA Babilônia” (e não para os judeus).
Algumas versões usam “em Babilônia” e algumas usam “para Babilônia”, em Jeremias 29:10.

Além disso, os “críticos” ACHAM, ou querem acreditar, que o exílio dos judeus durou apenas 50 (cinquenta) anos, ou de 587 a 537 a.C., quando retornaram a Israel.

Eles até “apelam” para o escritor judeu Flávio Josefo, que viveu no primeiro século cristão e que também falou sobre o assunto.
PORÉM Josefo falou 5 (cinco) vezes, que a duração do “exílio” foi de 70 anos.
Contudo, na sua última menção desse fato, ele “desmente” isso, falando que o babilônio Beroso estava certo, quando falou que a duração do exílio “havia sido de 50 anos” (Contra Apião, I,21).

Isso não parece suspeito?
Os próprios “críticos” dizem  que SE “várias afirmações de algum autor diz algo e apenas UMA diz algo diferente, teria de se levar em conta a maioria das afirmações” (uma só afirmação perderia para várias, sobre o mesmo assunto).
É o mais óbvio e natural.

PORÉM, nesse caso de Josefo, eles vão contra isso que falaram, pois ACHAM que quando ele falou uma ÚNICA vez no exílio de “cinquenta anos”, se DESMENTIU  do que havia afirmado antes, quando havia dito, várias vezes, que o exílio dos judeus foi de “setenta anos”.
Portanto, acham que UMA só declaração de Josefo tem mais valor do que as CINCO afirmações anteriores que ele havia feito.

No caso da existência de Jesus, dizem que ACRESCENTARAM, ou que mexeram, nos escritos de Josefo, para que ele incluísse Jesus em seus escritos.
Mas e neste caso?
Será que os “críticos” NÃO teriam “mexido”, ou “acrescentado”, esse “desmentido” de Josefo?

Mesmo porque os “críticos” só CONCORDAM com Josefo, quando o escritor judeu CONCORDA com eles, como nesses “50 anos” do exílio.
Porém NÃO concordam com Josefo na “duração dos reis babilônicos”, feita por ele, e que é DIFERENTE da “duração dos reis babilônicos do Cânon de Ptolomeu”, que tais “críticos” defendem.
Assim, só querem concordar com aquilo que concorda com eles.

Desse modo, parece que nem a “tabuinha VAT 4956” nem o escritor Josefo servem para elucidar o caso da “data certa”.

Até por que, nessa “tabuinha”, parece que há uma MANIPULAÇÃO dos “críticos”, pois eles inventaram que houve um “erro do copista”.
No original constava o “dia nove”, MAS eles dizem que era o “dia oito” e que, quando COPIARAM, em vez de colocar “oito”, colocaram “nove”.

Como já visto, usando-se o “dia 8 (oito)”, ela permite que o “37º ano de Nabucodonosor II” seja 568, o que combinaria que a destruição de Jerusalém foi em 587, MAS somente se usar o “dia 8” do diário astronômico.
Já SE usar o “dia 9”, o “37º ano de Nabucodonosor II” passa a ser 588 e combinaria com a data de 607, para a destruição de Jerusalém.
A tabuinha fala em um ECLIPSE nesse 37º ano,  mas nesses dois anos, tanto em 568 como em 588, houve eclipses.

Nova evidência bíblica

Na realidade, existe uma “data certa”, MAS parece que a aceitação sempre dependerá da crença de cada um e/ou da descoberta de fatos novos, principalmente pela Arqueologia.
Até surgir uma nova descoberta (se surgir), os “críticos” sempre irão acreditar em 587, como o ano de destruição de Jerusalém, e as TJs sempre acreditarão mais na sua interpretação da Bíblia, que aponta para o ano 607.

PORÉM, parece que há OUTRA evidência a favor da Bíblia e o melhor é que NÃO depende dos “setenta anos” falados por Jeremias e Daniel nem depende das “tabuinhas”.

Os “críticos” bíblicos NÃO aceitam 607, porque as TJs basearam-se nessa “data” para chegar a 1914, que foi o ANO em que “estourou” a Primeira Guerra Mundial.
As antigas TJs ANUNCIARAM o ano 1914 com mais de 30 anos de antecedência (ou desde 1876).

Quanto a 1914, elas fizeram o cálculo para determinar o FIM do “tempo dos gentios”, que teria começado com Nabucodonosor II e que terminaria com a “volta de Cristo” (Lucas 21:24).
Elas sabiam que, QUANDO terminasse esse “tempo”, Cristo VOLTARIA e, quando Cristo “voltasse”, seria “o FIM do mundo” (Mateus 24:3-14,29-31), ou o fim da humanidade iníqua.

Assim, a respeito do fim do “tempo dos gentios”, parece que as TJs NÃO erraram sobre 1914.
Elas só ERRARAM, por que disseram, também, que seria “o FIM do mundo” e isso NÃO aconteceu (Marcos 13:32).
Também ACERTARAM quanto à GUERRA que haveria (só que elas PENSARAM que tal guerra levaria direto “ao fim do mundo”, o que NÃO aconteceu).

Porém o escritor britânico E. B. Elliott também APONTOU para “1914”, em 1844, bem antes das TJs.
Ele usou o ano de 606 como o ano de INÍCIO de Nabucodonosor II, mas incluiu o “ano zero” no seu cálculo. Percebe-se isso, porque ele chegou ao resultado com UMA só operação aritmética. 
O “cálculo” feito foi:
Sete tempos de 360 dias/anos (Daniel 4:32 - Ezequiel 4:6), menos o ano de início de Nabucodonosor II, ou 2520 – 606 = 1914.

Contudo, para esse cálculo “bater” com o Calendário Gregoriano, quando se usa datas “a.C. e d.C.”, NÃO se contando o “ano zero”, tem de se “tirar um” no início ou “acrescentar um” no final, porque NÃO se conta o “ano zero”.
SE “tirar um” na “data INICIAL (a.C.), o resultado final já sairá no Calendário Gregoriano.
SE não se tirar da “data inicial”, terá de se acrescentar “um”, na “data final” (Veja o "post" NASCIMENTO de Jesus).

Assim, o resultado de Elliott no calendário Gregoriano seria 1915 e não 1914, pois ele CONTOU o “ano zero” e, como não “tirou um” da data inicial (606), deveria “ACRESCENTAR um” na data final.

Já 607 bate perfeitamente (é só “tirar um” da inicial e fica 606, que, tirado de 2520 (ou de 7 x 360, ou de “sete tempos”), dá 1914.
Se não tirar na inicial, “acrescenta-se um” ao final (2520 – 607 = 1913 (mais um) = 1914)
Esse “tirar um”, ou “acrescentar um”, é só para “bater” com o Calendário Gregoriano, mas as “datas” continuam as MESMAS.

MAS isso mostra que alguns costumavam usar o INÍCIO, ou o primeiro ano de um rei, para o cálculo de uma “data profética” no futuro (Elliott havia usado o ano de 606, que acreditava ser o INÍCIO de Nabucodonosor II).

Do mesmo jeito, usando-se a “data” da posse do Rei Salomão, ou o ANO em que iniciou o seu reinado, que foi em 1037 a.C., também se chega a “607”.
Essa data de 1037 pode ser deduzida da Bíblia e as TJs NÃO a usaram para “achar” 1914 (Veja o “post” CRONOLOGIA).

Ezequiel 4:5,6 fala que os “erros da nação de Israel” DURARAM 430 (ou 390 + 40) dias”, que, considerando “um dia por um ANO”,  seriam 430 anos.
Como já visto, a partir da posse e do reinado de Salomão, Israel era considerado como o “Reino de Deus” na Terra.
Assim, é PROVÁVEL que aqueles 430 anos do “erro de Israel, falados por Ezequiel”, foram os 430 anos da duração do Reino de Deus na Terra, ou a duração em que os “filhos de Davi”  GOVERNARAM.
Primeiro com Salomão em Israel e, depois da divisão do país, com seus filhos em Judá.
Contando-se a duração de cada rei, de Salomão em diante, até a destruição do Templo, dá cerca de 430 anos.

Salomão foi o PRIMEIRO  rei “filho de Davi” e CONSTRUIU o Templo.
Ele teria dado INÌCIO aos 430 anos, falados por Ezequiel.
Zedequias (ou Sedecias) foi o ÚLTIMO rei “filho de Davi”, que se assentou em Jerusalém e foi deposto por Nabucodonosor II.
Ele teria dado o FIM na governança dos “filhos de Davi”.
Entre Salomão  e Zedequias, haviam se passado 430 anos.

SE Salomão começou em 1037, contados 430 anos depois dele, levariam a 607 (ou 1037 – 430 = 607).

Assim, a Bíblia parece APOIAR, mesmo, a “data” de 607 a.C., como o ANO em que Nabucodonosor II destruiu Jerusalém e seu Templo, sem usar os “setenta anos”, citados por  Daniel e Jeremias, e sem  usar as “tabuinhas” cuneiformes.





Crédito dos Desenhos e da Foto: Postagens da Internet



4 comentários:

  1. Gostei muito de Seus comentários.Acredito que a destruição de Jerusalém ocorreu em 607AEC. Não me deixo levar por qualquer filosofia esquisita que os criticos fazem.
    Obrigado por sua postagem.

    ResponderExcluir
  2. Ignorante. Assim pode ser classificada essas informações. Sou Testemunha de Jeová e pesquisador profundo da bíblia e posso dizer com todas as palavras que essas informações são ignorantes.

    Para começo de conversa a Bíblia não possui NENHUMA cronologia, conforme mencionado nesse blog: "As TJs preferem seguir o que diz a Bíblia e NÃO abrem mão de suas interpretações". A bíblia, referente a cronologia, não consegue se interpretar sem a ajuda da cronologia secular. Se formos procurar de Gênesis a Revelação (Apocalipse) uma só data NÃO ENCONTRAREMOS. O que encontramos na bíblia são ANOS DE REINADOS, por exemplo: primeiro ano do rei fulano; trigésimo ano do rei cicrano, décimo ano do rei beltrano, etc. Mas em nenhum momento encontramos: ano 400AEC, 587AEC, 607AEC, etc. Baseado nisso surge a pergunta: como foi encontrada a data base de 539AEC muito utilizada para o cálculo dos 70 anos? Resposta: cronologia secular. Sim, a bíblia depende da cronologia secular para ter sua cronologia entendida.

    Assim, afirmar que a cronologia secular é falha equivale a dar um tiro no pé, pois, o ano de 539AEC, bem como o ano de 1914EC são datas de cronologias seculares. A segunda, especificamente falando (1914) faz parte da cronologia secular conhecida como Calendário Gregoriano.

    Como Testemunha de Jeová e estudioso de vários assuntos, sobretudo cronologia, posso afirmar que, considerando o misto de cronologias que a humanidade foi submetida (Calendário Juliano, Gregoriano, etc) não podemos ter certeza de que quaisquer datas proféticas de Jeová se encaixem perfeitamente com as datas seculares de humanos, entre eles um Imperador (Júlio César) e um Papa (Gregório). Baseado nisso, não foi prudente da parte do Corpo Governante das Testemunhas de Jeová assumir o papel de interpretador de profecias ou períodos proféticos, afinal o único que possui autoridade e capacidade para prever o futuro é Jeová. Nem os próprios profetas se apegavam a datas, mas apenas a profetizar.

    Jesus começou a reinar logo após sua ressurreição em 33EC. Essa informação está bem clara na bíblia, basta a Testemunha sincera, estudiosa e de mente aberta deixar um pouquinho de lado as informações do Corpo Governante e atentar exclusivamente à bíblia para enxergar essa informação.

    Outra particularidade relacionada a este assunto também se encontra na bíblia de forma bem clara e diz respeito aos 70 anos (Jeremias 29:10). Esses 70 anos não foram EM Babilônia, mas PARA Babilônia, ou seja, a profecia dos 70 anos se referiam a 70 anos para Babilônia ter não só os judeus, mas várias nações sob seu julgo. Basta analisar a carta que Jeremias enviou para a primeira leva de judeus cativos em Babilônia, informando para eles não acreditarem nas falsas profecias que estavam sendo espalhadas sobre o fim dos 70 anos de escravidão enviada muitos anos antes de Jerusalém ser destruída.

    O próprio Corpo Governante disse que pode errar na explicação de um assunto (A Sentinela de fevereiro de 2017, página 22), dessa forma, é prudente da parte de cada servo de Jeová desconsiderar as interpretações de eventos futuros e cronologias dessa fonte e aceitar apenas suas informações relacionadas à fé, à organização da obra de pregação e a conduta cristã. Afinal de contas se formos analisar na bíblia a parábola do escravo prudente, veremos que a única coisa que o seu Senhor lhe atribuiu foi o de multiplicar seus bens, não interpretar eventos futuros, pois, somente Jeová tem esse poder.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Antonio: Grato pelo comentário.
      MAS você é "Testemunha de Jeová" mesmo?
      NÃO está parecendo.
      Por mencionar o "CG", ou o Corpo Governante delas, mais parece um daqueles que elas chamam de "apóstata".

      Além disso, parece que só quer POLEMIZAR, pois uma hora diz que a Bíblia NÃO tem "cronologia", mas depois diz que "Sim, a bíblia depende da cronologia secular para ter SUA cronologia entendida."

      A Bíblia tem ou NÃO tem cronologia?

      Óbvio que as "datas" que a Bíblia dá, NÃO são as mesmas dos vários Calendários usados pelas nações.
      Assim, é preciso "ajustá-las".

      MAS o ponto que eu quis salientar é que a "DATA" de 607, que é defendida pelas "TJs" e NÃO aceita pela maioria, poderia ser obtida SEM "a data da queda de Babilônia", que foi em 539 a.C., o que é COMPROVADO pelos historiadores das nações.

      Excluir